Como a poluição pode acelerar o seu envelhecimento

Estamos nos despedindo do verão! E algumas pessoas acham que isso é uma desculpa para diminuir os cuidados com a pele: afinal de contas, não vão mais se expor por horas ao sol, entrar no mar ou na piscina… Não é bem assim! É preciso manter os cuidados durante o ano inteiro, mesmo se você vive em grandes cidades e passa o dia na sombra, dentro do escritório.

Aliás, hoje eu quero fazer um alerta especial para quem mora em grandes cidades! De uns tempos para cá, lemos cada vez mais estudos sobre como a poluição afeta nossa pele. Ela é um dos fatores externos que mais conectados ao envelhecimento precoce. E é um dano que passa quase despercebido: afinal, poluição não queima, não deixa o rosto vermelho… A gente demora para perceber o problema!

Para entender melhor qual essa relação vamos começar lá do início. Pronta para falar um pouquinho de química?
As moléculas de oxigênio (de que nós precisamos para viver!) carregam alguns elétrons livres. Alguns deles acabam soltos no nosso organismo e oxidam as células – são os radicais livres que você lê sobre por aí! Esse processo é natural, e nosso corpo é preparado para neutralizar esses danos até certo ponto com ajuda dos antioxidantes. Mas quando há radicais livres em excesso, algumas funções das nossas células são realmente prejudicadas e, com o passar dos anos, os estragos vão se acumulando e ficando mais evidentes. Quando há mais radicais livres do que o nosso corpo consegue neutralizar é o que chamamos de estresse oxidativo.

O que a poluição tem a ver com isso?
Pense em poluição como toda mudança química indesejada no meio ambiente (o cigarro ou os agrotóxicos entram aqui também!). A poluição impacta no nosso organismo e na nossa pele: os gases poluentes, combinados com a radiação solar, liberam na nossa pele ozônio (um tipo diferente daquele da camada de ozônio). Essa molécula de ozônio é bastante reativa e induz o estresse oxidativo: isso atinge células de grande importância para a pele, como as que produzem colágeno (estrutura que dá firmeza), causando flacidez, e as que produzem melanina (pigmento), aumentando as manchas. Por isso, anos de exposição
à poluição aceleram o aparecimento de manchas senis, rugas e linhas de expressão.

E tem mais! As micropartículas da poluição entram nos poros e podem obstruí-los. Isso é uma causa bastante comum de cravos. e espinhas.

E o que a gente pode fazer?
Não podemos deixar de nos expor à poluição (a não ser que você more em um lugar privilegiado!), mas evitar outros fatores que também liberam radicais livres no nosso corpo e intensificam o estresse oxidativo: bebidas alcoólicas em excesso, tabagismo, alimentação inadequada. Aliás, foco no prato: os vegetais que ingerimos são uma fonte riquíssima de antioxidantes. Coma menos industrializados e mais verduras, legumes e frutas.

Outra medida importante é caprichar na limpeza! Mesmo que você não use maquiagem, aconselho o uso de um produto que retire partículas dos poros todas as noites. E, pelo menos uma vez na semana, faça uma boa esfoliação.

Também é preciso hidratar a pele para reforçar sua barreira protetora. Procure por produtos enriquecidos com ativos antioxidantes, que neutralizam os radicais livres liberados pela poluição.

E não se esqueça do protetor solar! Blindar-se da radiação evita a liberação de ozônio na pele, lembra? Com esse combo limpeza bem-feita + hidratante antioxidante + protetor solar, você tem uma proteção bem efetiva contra os efeitos da poluição.

 

Dermatologista, Dra. Kássila Nasser CRM/PR 27.047 

Conheça nossos produtos:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *